Sem reformas, desastre fiscal

Em editorial, o jornal lista uma série de efeitos positivos da recuperação da economia brasileira, como o aumento da arrecadação e as consequências disso para as contas públicas, mas chama a atenção também para o avanço das despesas obrigatórias, suficiente para ocasionar o déficit primário.

 

Em 2008, essas despesas corresponderiam a 74,2% da receita líquida. Em 2016 essa proporção chegou a 101,3% e nos últimos 12 meses já subiu para 104%. Depois de apresentar vários outros números mostrando a gravidade da situação fiscal do País, o jornal conclui que “sem reformas, é fácil prever o desastre”.

 

Fonte:  O Estado de S. Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *