Fundos: Rentabilidade de 4,24% no primeiro semestre

Os fundos de pensão alcançaram uma rentabilidade de 4,24% no primeiro semestre, ficando pouco abaixo da taxa de juros padrão (TJP) – meta atuarial do setor, calculada em 4,44% nos seis primeiros meses do ano. Os dados foram apresentados durante o 38° Congresso Brasileiro da Previdência Complementar Fechada, promovido entre os dias 4 e 6 de outubro em São Paulo pela Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp).

 

Renda fixa ainda predomina a carteira das fundações, representando 74,1% dos investimentos, enquanto renda variável totalizou 16,9% das aplicações. A rentabilidade também foi maior em renda fixa, fechando o semestre em 4,92% contra 2,14% da renda variável. De acordo com o presidente da associação, Luís Ricardo Martins, o sistema está sólido, contando com mais de R$ 800 bilhões em ativos. Contudo, para que a rentabilidade cresça diante de um cenário de queda de juros, os gestores precisam tomar mais risco.

 

Martins mencionou que as regras do Conselho Monetário Nacional (CMN) baseadas na Resolução 3792 e que regula os investimentos de fundos de pensão estão passando por alterações justamente no sentido de dar aos fundos de pensão maior possibilidade de investir em ativos de risco. Contudo, o próprio sistema precisa tirar algumas barreiras da frente para sair da renda fixa. “Uma delas é a resistência aos investimentos em fundos de participações, os FIPs. É um veículo importante, que precisa passar por aprimoramento, mas que não pode ser deixado de lado por conta de alguns casos pontuais que vimos de problemas no sistema?”, destacou Martins durante coletiva de imprensa concedida esta manhã pela Abrapp. Para ele, uma maneira de coibir que esse tipo de veículo seja utilizado para realização de investimentos mal intencionados é a punição aos gestores. “Nós do sistema Abrapp incentivamos a capacitação de dirigentes justamente para evitar que caso assim ocorram. Trabalhamos para blindar a governança das entidades”, disse Luís Ricardo Martins Fonte:  Investidor Institucional Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *